7 ações e 3 exercícios para desenvolver o bem-estar emocional

Com um pouco de prática e entendimento sobre si mesmo, é possível ter uma saúde mental mais proativa e evitar se deixar levar pelas situações adversas.

7 ações e 3 exercícios para desenvolver o bem-estar emocional

Sempre quando falamos de bem-estar, pensamos logo no físico e em fazer atividades que vão melhorar nosso condicionamento. Mas quando o assunto é saúde mental, só pensamos nela depois que algo acontece? Foi essa pergunta que as psicólogas Alexa Meyer e a Emily Anhalt fizeram e, desse questionamento, criaram a Coa, uma academia de saúde mental.

Em entrevista ao site mindbodygreen, elas explicaram que a ideia é ter uma atitude proativa da saúde mental. “Quando as pessoas pensam no assunto, o foco está na ideia de ‘o que há de errado com você e como podemos consertar’”, disse Anhalt ao site.

A Coa é uma academia no sentido literal da palavra mesmo, com exercícios que devem ser feitos para trabalhar um determinado grupo muscular (nesse caso, no sentido figurado). “Nós queríamos saber o que acontece quando focamos nessas coisas antes que vire um problema. O que seria uma flexão de braços para a saúde mental? Ou uma prancha?”, conta Anhalt.

Para responder ao questionamento que levou ao desenvolvimento da Coa, elas entrevistaram 100 psicólogos e empresários e perguntaram a eles o que é uma boa saúde emocional proativa e a ligação da boa forma física com o tema. Com isso, elas identificaram 10 iniciativas – 7 ações e 3 exercícios – que podem nos levar a ter um melhor condicionamento metal. Confira a seguir.

7 características de aptidão emocional

São características que podem ser encontradas em qualquer pessoa que pensa em algum crescimento emocional. "Trabalhar nelas de forma contínua pode ajudar a prevenir muitos dos problemas que mais tarde farão com que as pessoas precisem de uma ajuda", disse Anhalt.

Característica 1: Autoconsciência

Como cita Anhalt, “é muito difícil desenvolver ou mudar qualquer coisa se não formos capazes de ver”. Por isso, a autoconsciência é o primeiro item da lista e, desenvolvê-la significa olhar para dentro e entender quais são seus gatilhos emocionais e preconceitos.

Característica 2: Empatia

É um fator que anda de mãos dadas com a autoconsciência, já que empatia é “compreender e tolerar as emoções de outras pessoas”, diz Anhalt. Ou seja, é se permitir sentir o que as pessoas estão sentindo, colocando-se no lugar delas.

Característica 3: Mindfulness

Mindfulness é um tipo de meditação que envolve várias técnicas para você se conectar com o seu interior e reduzir a carga de estresse. Mas, na proposta das duas psicólogas, mindfulness “está se tornando mais confortável sendo desconfortável”. Para Anhalt, se você não consegue relaxar, se conectar ao momento é porque há algo desconfortável e identificar o que te não te deixa bem ajuda a construir essa aptidão.

Característica 4: Curiosidade

Ser curioso, na definição de Anhalt, é “buscar o crescimento em vez da atitude defensiva”. Ou seja, é não recuar quando situações difíceis aparecem e sim fazer perguntas para enfrentá-las. Isso ajudará a criar uma versão melhor de nós mesmos.

Característica 5: Diversão

Há um conceito no teatro de improvisação em que os participantes, durante um jogo, dizem “sim e...” e desenvolvem uma ideia a partir de outra ideia que a pessoa anterior iniciou. Isso vale para essa aptidão. “É conhecer as pessoas onde elas estão, remover barreiras e ser capaz de chegar a lugares que você não seria capaz de chegar se encerrasse uma conversa ou se sentisse que precisava falar sobre o motivo de que uma ideia não funcionaria”, explica Anhalt.

Característica 6: Resiliência

Apesar se “resiliência” ser a palavra da moda, no contexto de aptidão mental criada pelas psicólogas, ela não significa apenas seguir em frente após se recuperar de contratempos ou fracassos. É importante enfrentá-los e sentir seus sentimentos.

Característica 7: Comunicação

Em relação ao bem-estar emocional, as pessoas podem considerar duas questões para serem colocadas em prática: “Como colocamos palavras em nossas necessidades, expectativas e limites?” e “Como ouvimos as pessoas e falamos o que precisa ser dito?”.

3 exercícios que vão te ajudar a desenvolver o bem-estar emocional

Depois das 7 características para desenvolver a aptidão mental, agora é hora de colocá-las em prática com alguns exercícios. São três deles, segundo as especialistas:

1. Agende uma hora de preocupação

A preocupação bate à porta a todo instante em nosso cotidiano. Então, que tal reservar uma hora do seu dia para realmente se importar com sentimentos que podem te oprimir? Fazer isso ajuda a construir os músculos de resiliência. Lembre-se, sempre que bater uma preocupação, é só dizer a si mesmo que ela tem hora marcada!

2. Crie um arquivo de sorriso

Temos a tendência de sempre guardar as coisas negativas em nossa memória, como um feedback não tão legal, por exemplo. A sugestão de Anhalt é criar um arquivo com as coisas positivas que são compartilhadas com você no dia a dia. Isso é importante, porque em um momento de sentimento ruim, você pode acessar esses arquivos para ver o quanto as pessoas gostam do que você faz. Isso é ótimo para a autoestima.

3. Use “remoji”

Anhalt definiu que um “remoji” é o uso remoto de emojis para dizer o seu estado de espírito. Com muita gente em home office, a comunicação pode ter muitos ruídos. Então, a dica é: usar um emoji de cacto para informar que, naquele momento, o assunto pode ser espinhoso. Ou o de duas pessoas dançando, que pode dizer ao colega de trabalho que “eu cuido de você, você não está sozinho”. Claro, antes de definir qual emoji vai falar por você, experimente com os colegas de trabalho, parentes e amigos para eles entenderem que a linguagem está clara.

 [FRJdS1]Link para quando a matéria for ao ar

Complementary Content
${loading}